O Caçador de Borboletas by Álvaro Magalhães

Sorridente, ao nascer do dia,
ele sai de casa com sua rede.
Vai caçar borboletas, mas fica preso
à frescura do rio que lhe mata a sede
ou ao encanto das flores do prado.

Vê tanta beleza à sua volta
que esquece a rede em qualquer lado
e antes de caçar já foi caçado.

À noite, regressa a casa cansado
e estranhamente feliz
porque a sua caixa está vazia,
mas diz sempre, suspirando:

Que grande caçada e que belo dia!

Antes de entrar, limpa as botas
num tapete de compridos pêlos
e sacode, distraído,
as muitas borboletas de mil cores
que lhe pousaram nos ombros, nos cabelos.

(Álvaro Magalhães)

3 comentários:

  1. Olha que legal, eu também tenho um caçador de borboletas, adoro!

    ResponderExcluir
  2. Muito lindo. Primeira vez que me vejo frente a poesia de Alvaro Magalhaes.

    ResponderExcluir