Amor de Tarja Preta by Thiago De Lazzari

Não virá jamais, uma advertência, em letras brancas, destacadas na tela azul de comercial, a seguinte mensagem: Amor causa dependência. Nunca.

Não demanda receita. Experimenta-se como droga mesmo, daquelas em que a curiosidade de saber, nos induz ao derradeiro ato da entrega. Uma dose quando já se flerta com o perigo, se cogita a possibilidade do paraíso ao tocar aquela boca, sentir aquele perfume... E o vício se faz imediato.

Então, meu caro, você se apaixona. E vai aos céus, com uma palavra, um carinho, um abraço. Alcança o Nirvana através do beijo... do corpo dela... Do sorriso estampado no mais belo rosto apontando seu sucesso em saciá-la de amor. Você repete mentalmente cada sussurro e cada suspiro dela...

Você acordará com sede. Incompleto. A garganta seca como um deserto, e teus olhos já não serão mais os mesmos. Arcos escuros vão delinear seus globos oculares. O café vai precisar de mais açúcar. A cerveja de mais tempo na geladeira. A comida, de mais tempero, afinal, o sabor predominante em sua língua, é o do ultimo beijo.

O amor será tua cocaína, teu ópio. E vai te matar aos poucos, não pela pureza, e sim pelos resíduos contidos na composição da alma.

Vai sangrar teu coração e teu nariz, lançando sua conduta numa espiral de ações totalmente idiotas. Isolamento, depressão e bundamolismo. Você vai mutilar árvores rabiscando idiotamente a primeira letra do seu nome e do dela. Vai cravar em uma infeliz planta, o que não conseguiu cravar no coração da sua amada.

As doses ficarão cada vez mais raras. O mundo todo vai ver a tua ruína... Será assunto de rodas de conversas em que você não estará, mas pouco importa você ainda sim sentirá euforia a cada uso. O preço vai consumir as suas finanças, até o determinado momento em que você fará qualquer coisa pra possuir seu paraíso. Do teto ao chão...

Quando for tarde demais, e perceber o verdadeiro inferno, vai sim cogitar a possibilidade de tratamento e desintoxicação... Vai valorizar cada dose de cachaça e cada conversa fraterna... Mas a abstinência causará dores como agulhas debaixo das unhas.

Estando puro, ou adulterado, o amor mata, só que em velocidades diferentes... E ainda sim, em seu leito de morte, você sentirá cada célula do seu corpo vibrar como na primeira dose...



- Thiago De Lazzari -


Dossiê De Lazzari
http://dossiedelazzari.blogspot.com


Nenhum comentário:

Postar um comentário